terça-feira, agosto 23, 2011

reresoluções

"Soterrado em trabalhos e provas, tomei algumas resoluções para o ano de 2010.
Acho que o fato de ainda ser início de setembro mostra como minha vida está miserável, enfim, vamos a elas:
- Largar essa porra de ser professor (isso não dá camisa para ninguém);
- Escrever essa *$#@% dessa tese;
- Fazer uns exames de saúde;
- Reler "O tempo e o vento";
- Ler "Em busca do tempo perdido", todos os 315 volumes;
- Tirar férias.
Naturalmente não vou conseguir fazer nada disso.
Odeio minha vida."


Lembrei desse post que eu escrevi há dois anos quando comecei a dar aulas no Padre, lá no Rio. Como esse mês eu comecei a trabalhar aqui em Brasília, algumas coisas voltaram. Vamos rever aquelas resoluções:

- sobre lecionar... bom, preciso da grana... e o que mais eu sei fazer?
- a tese... me ofereceram mais seis meses na pós, eu aceitei... o problema é que não sei dizer não...
- saúde? quem tem tempo para isso?
- "Tempo e o vento"... nem sei onde está... a empregada deve ter roubado... ou os caras da mudança...
- "Em busca do tempo perdido"... não li nem o primeiro.
- férias... como sempre, no próximo ano!

Uma coisa mudou. Se daquela vez pensei em resoluções no início de setembro, agora foi no fim de agosto... Prefiro não pensar o que isso quer dizer...

quarta-feira, julho 20, 2011

Os bons serviços da capital...

Na padaria:

Bom dia, queria pedir uma água de 20 litros...

Entregas no domingo só antes de meio dia...

No jornaleiro:

Bom dia, queria pedir uma água de 20 litros...

Estamos sem água...

No mercadinho:

Bom dia, queria pedir uma água de 20 litros...

No domingo? Tá maluco?


Na padaria:

Bom dia, queria pedir uma água de 20 litros...

Segunda só depois das duas, mas hoje fechamos cedo...

No jornaleiro:

Bom dia, queria pedir uma água de 20 litros...

Filhinho, meu entregador hoje não veio, foi arrancar um dente...

No mercadinho:

Bom dia, queria pedir uma água de 20 litros...

Olha, eu acho que acabou... Teria que ver com os meninos lá da entrega...

E você não poderia ver?

Mas aí eu teria que ir lá... Tenho quase certeza que acabou, tchau!


Na padaria:

Bom dia, hoje é terça-feira de manhã, quero uma água de 20 litros. Vocês tem e entregam?

Claro, ué... chega em meia hora.


Três dias e três horas depois (não em meia hora) consegui beber água.

Temo por um lugar onde não há mão-de-obra nem para vender água! Ainda dizem que existe desemprego no país...

quarta-feira, julho 06, 2011

sexta-feira, junho 24, 2011

Marinaldo e Leuzilene

Ontem eu acordei de manhã e tinha a uma mensagem no meu celular:

“oi sou irmao da leuzilene fala p ela p favor que estou no porco branco marinaldo”

Não conheço nenhuma Leuzilene, ainda mais com um irmão chamado Marinaldo. Até poderia, porque em Brasília são nomes bem comuns. Deixei para lá e quando a Diana acordou, ela disse que eu deveria ter respondido, explicado que a mensagem veio errado e que não adiantava o Marinaldo esperar a Leuzilene porque ela não ia aparecer.

Em tese eu concordei com ela, mas na verdade eu não respondi porque tinha esperanças que o Marinalvo escrevesse outras mensagens. Algo como:

“leuzilene, to esperando ha uma hora!!! minha viagem para nova zelândia e hoje e so volto daqui a cinco anos, vc vem???”

ou:

“leuzilene, ultima chance de você me devolver a colecao de selos do papai, amanha vou no advogado!!!”

ou:

“leuzilene, pelo jeito você ainda nao me perdoou... ja faz 15 anos, caralho!!!”

ou:

“leuzilene, roubei o tavinho da mae dele, quer conhecer seu sobrinho antes deu ser preso???”

ou:

“leuzilene, cade vc??? o tavinho engoliu uma lagarta to levando ele no ps”

ou:

“leuzilene, descobri que nao somos irmãos, quer casar comigo???”

Tantas possibilidades, e o Marinaldo nem escreveu mais... Definitivamente a realidade é um saco...

Só fiquei com uma dúvida: Quem ou o quê é o Porco Branco?

segunda-feira, abril 18, 2011

Conversas de alcova

Cena 1 - No sofá, assistindo Hair pela enésima vez (eu assisto ao menos uma vez por semana).
Ele: - Puxa, a Sheila é muito mais interessada no Berger que no Bukowski, tomara que ela tenha conseguido transar com ele antes dele morrer...
Ela: - O BERGER MORRE???

Cena 2 - Na cozinha, cozinhando enquanto ela lava a louça.
Ele: - ... então, o Balor é uma criatura do D&D, bem parecida com o Balrog, aquele monstrão que mata o Gandalf no Senhor dos Anéis...
Ela: - O GANDALF MORRE???

sexta-feira, março 04, 2011

BSB

Então, estive fora esse tempo todo por causa principalmente da virada que rolou na minha vida com a mudança da Diana para Brasília.

Ela mudou para lá em setembro e passou um tempo em um flat. No início de fevereiro nós descolamos um apê e eu abandonei meus empregos para vir para cá ficar com ela.

Estamos morando numa satélite pertinho do plano, o Cruzeiro, conhecido como "bairro dos cariocas". É um lugar arborizado e essencialmente residencial, mas com um comércio que supre as principais necessidades.

Perto de nós tem uma feira permanente, mais ou menos como uma (bem) pequena Cadeg ou Cobal do Rio. São poucos boxes, mas até que é interessante.

Outra coisa boa é que com a mudança nós estamos tentando reintroduzir a Margot na vida da Méu para ver se ela para de atacar nosso bêbê.

Agora falta arrumar um emprego e escrever a porra da tese.



Lateral do nosso prédio

All together now

feira do Cruzeiro

quarta-feira, setembro 29, 2010

Hellraiser

5:30h

Acordei e fui tomar banho, de repente o aquecedor chiou:

- Seu Paulo! Isso são horas?

- Ô dona Angelina, desculpa acordar a senhora, mas hoje é dia de colégio, né?

Moro nesse apê a mais de ano e minha ex-vizinha, velha, carcamana e morta, continua sem saber meus horários. Depois de morar no meu aquecedor barulhento, ela se mudou para a televisão, mas nesses dias de friozinho, o reumatismo dela dói.

- Tudo bem, Seu Paulo, na verdade eu dormi muito mal hoje. Ando preocupado com você e com a mocinha branquela. Ela anda sumida... ela te largou também?

- Não dona Angelina, a Diana assumiu um cargo em Brasília e teve que mudar para lá.

- Mas e você?

- Eu vou mudar também, assim que possível. Tenho que esperar 2011, porque fim de ano é foda de arrumar emprego...

- Mas e eu?

- Ahhh... foda-se. Se a senhora quiser vir comigo tudo bem... Já me acostumei com as suas maluquices. De qualquer forma, será bom ter amigos, já que não conhecemos ninguém lá.

- Mas você vai ficar sem emprego lá! Nem conhece ninguém! Por que você vai? Deixa a branquela para lá e ficamos aqui nós dois!

- Dona Angelina, não vai rolar. Meu lugar é com ela. Já era assim, depois do casamento então...

- CASAMENTO?!?!? QUE CASAMENTO?!?!?! VOCÊS CASARAM?!?!?!

- Bom, pois é... Foi uma coisinha simples...

- PORRA!!! NEM ME AVISARAM!!!

- Não avisamos ninguém, Dona Angelina... E depois nós viajamos...

- E AINDA VIAJARAM??? E NEM ME LEVARAM???

- Caralho, dona Angelina, quem tem filho grande é cavalo!

- Você tem andado ocupado, heim, seu Judas!

- E por que a senhora acha que eu nunca mais escrevi no mosaico?

- Ééé... eu sei essa sua teoria! “Quem ta feliz não escreve!”

Por isso que você veio falar comigo agora!

Agora também, você que se foda, seu gordo ingrato!

- Ok, Dona Angelina, já deu sua lição de moral, agora vou tomar banho que eu já tô atrasado...

domingo, maio 09, 2010

Fora do ar

Estive fora por um bom tempo, mais de 3 meses inteiros sem qualquer postagem. Motivos: qualificação, trabalho e desânimo em escrever nesse blogue falido, mas que no fundo eu gosto e até me orgulho de algumas postagens. Nesse tempo aconteceram algumas coisas, a primeira é que eu realmente me casei com a Diana. No fundo não mudou nada, mas talvez tenha mudado, sei lá. Talvez seja bom não ter mudado nada, porque (pelo menos por mim) não havia nada para mudar, está tudo beleza. A segunda coisa é que finalmente consegui fazer a qualificação. Atrasou à beça, mas dessa vez não por culpa minha: as burocracias necessárias para marcar a defesa, a agenda apertada da minha orientadora e os eventos que ela participa, o casamento, a viagem de pós-casamento, e por fim, a morte de um professor lá da faculdade. Tudo isso fez com que eu só defendessa a quali na terça passada.

Então, passadas essas dificuldades, achei que já era hora de voltar para esse blogue que ninguém lê, mas que eu até gosto de escrever. Para quebrar o gelo entre eu e a máquina, aproveito o filme que assistimos ontem pela enésima vez e que é um dos meus favoritos de todos os tempos, High Fidelity.

5 discos preferidos dos últimos anos (sem ordem de preferência):

Pink Floyd - Animals
Genesis - Selling england by the pound
Caravan - BBC Radio Concert
Rolling Stones - Their satanic majesties request
Renaissance - Prologue

Uma lista cheia de obviedades (pelo menos não tinha Beatles), porque por mais que eu tente negar, acho que sou uma pessoa estupidamente óbvia.